Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/03/21 às 17h33 - Atualizado em 30/03/21 às 18h19

Proposta para implantar sistema de bicicletas compartilhadas é aprovada pela Semob

Empresa vai começar atuando na região central do Distrito Federal

 

A proposta para a implantação, operação e manutenção do Sistema de Bicicletas Públicas Compartilhadas do Distrito Federal, apresentada pela empresa Tembici, foi aprovada pela Secretaria de Transporte e Mobilidade. O resultado do chamamento público para escolha da parceria foi publicado no Diário Oficial (DODF) desta terça-feira (30). A expectativa é de que o sistema entre em operação em 75 dias após a assinatura do contrato.

 

O sistema será uma alternativa de transporte e mobilidade para a população. De acordo com a proposta aprovada, inicialmente as bicicletas compartilhadas ficarão disponíveis na Asa Norte, Asa Sul, UnB e Sudoeste. 

 

A empresa apresentou também a previsão de tarifas. A viagem avulsa deve custar R$4,30, mas os usuários terão opções de adquirir pacotes. O plano para 48 horas pode sair por R$20,00, o pacote básico mensal deverá custar R$ 29,90, e o plano mensal para uso frequente tem o preço previsto de R$39,90. Os ciclistas também poderão adquirir plano básico anual por R$238,80 ou assinatura anual de uso frequente por R$358,80.

 

Conforme a proposta da Tembici (MI Transportes Sustentáveis Ltda), de início serão

implantadas 70 estações com oferta de 500 bicicletas, que serão distribuídas nas localidades da área central de Brasília. A expectativa da Semob é que a demanda seja grande logo no início, para que a empresa amplie a oferta das bikes para as demais cidades.

 

De acordo com o projeto, as bicicletas compartilhadas deverão estar disponíveis nos locais com maior demanda, de forma a integrar os deslocamentos dos pedestres com o transporte coletivo. O serviço poderá ser ampliado em outras regiões administrativas. Ao todo, sete lotes foram anunciados para serem negociados com o setor privado.

 

O sistema de bicicletas públicas não implicará em custos ao GDF e deverá oferecer planos diferenciados para usuários eventuais, habituais e de uso intenso. O acesso e uso dos equipamentos serão através de aplicativos de celular (smartphone). Será uma nova alternava de transporte e mobilidade à população.